terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Top 10 das mais Interessantes novas espécies descobertas nesta década

Algumas das mais estranhas e maravilhosas criaturas são destaque em um documentário da BBC chamado “Decade of Discovery”. Os cineastas tiveram a colaboração do Conservation International para fazer o documentário, que exibem muitas revelações da natureza. Então destacamos uma lista de algumas espécies surpreendentes que compõem as 10 mais interessantes.

10. Grande água-viva vermelha (Tiburonia granrojo):

A mais de 3.000 metros do fundo do oceano Pacífico, pesquisadores do Monterey Bay Aquarium Research Institute (MBARI) utilizando câmeras em um veículo operado remotamente capturaram a vida oculta a essa profundidade. Fora da escuridão surgiu uma grande água-viva vermelha de um metro de largura. Big Red, como foi apelidada, tem tentáculos, que usa para capturar o seu alimento. Os cientistas ainda não sabem o que ele come. Dizem que é um grande exemplo de quão pouco sabemos sobre o mar profundo.

9. MegaStick Chan (Phobaeticus chani):

Ele foi encontrado próximo a Gunung Kinabalu Park, Sabah, no Coração de Bornéu e mede mais de meio metro de comprimento - o maior inseto do planeta. O maior e um dos poucos exemplares conhecidos no mundo está no Museu de História Natural, em Londres. Apesar do enorme tamanho quase nada se sabe sobre ele. Os cientistas acreditam que ele vive no alto da floresta tropical úmida, o que tornou difícil de encontrá-lo e por isso se manteve em segredo até agora.

8. Sengi face cinza(udzungwensis Rhyncocyon):

Este sengi ou musaranho-elefante foi descoberto em 2006 no Uzungwa National Park, na Tanzânia.o cientista italiano, Francesco Rovero, do Museu de Ciências Naturais de Trento conseguia as imagens do pequeno mamífero por meio de uma câmara armadilha. O sengi cinza é muito maior do que qualquer outro da espécie – ele é aproximadamente do tamanho de um coelho. Pesa cerca de 700g e tem um nariz longo e flexível que se assemelha a uma tromba de elefante. Estranhamente, o musaranho-elefante não está relacionado com os musaranhos, mas eles compartilham um ancestral comum com os elefantes.
7. Bamboo Shark (Galei Hemiscyllium):

O tubarão de bambu, também conhecido como tubarão que anda, foi encontrado em 2006 na Baía Cenderawasih na Papua Ocidental, Indonésia. Esta área de habitat do recife de coral tem um nível tão elevado de biodiversidade que alguns pesquisadores chamam de uma "fábrica de espécies". Mark Erdmann do Conservation International foi o primeiro cientista a colocar os olhos sobre esta espécie de tubarão em 2006. Embora possa nadar se for preciso, ele geralmente usa suas nadadeiras peitorais para caminhar ao longo do recife e buscar alimentos entre os corais. Os cientistas levantaram fundos para a conservação marinha vendendo em leilão o direito de nomear o tubarão novo.

6. Orquídeas Phragmipedium kovachii:
Esta flor roxa grande de flamboyant causou sensação quando foi descoberta. Foi encontrada em 2001 estava sendo vendida na beira da estrada nas montanhas do Peru por um caçador de orquídeas e comerciante, que a exportou ilegalmente para os EUA. Ele foi devidamente processado, mas a orquídea ainda leva seu nome. Alguns espécimes legais estão agora nas mãos de um seleto grupo de criadores de orquídeas. Com suas flores enormes - até 20 centímetros de diâmetro – elas são originais das montanhas dos Andes do Peru.

5. Kipunji (Rungwecebus kipunji):

Este é o primeiro novo gênero (ou grupo de espécies de macacos), a ser descoberto desde a década de 1920. Ele foi localizado em 2003 por Tim Davenport, um biólogo da Wildlife Conservation Society, que estava trabalhando na região de Rungwe um Monte da Tanzânia. Ele estava entrevistando a população local sobre os animais que caçavam e conheciam na floresta. Alguns falaram de um "kipunji", um macaco grande que parecia diferente de qualquer outra coisa. Quando o Dr. Davenport viu ele sabia que era uma espécie nova, mas depois de análise de DNA mostrou que ele realmente foi um gênero totalmente novo. Havia apenas 1.117 Kipunji em estado selvagem na última contagem, tornando-se criticamente ameaçado de extinção.

4. plantas Pitcher (Nepenthes palawanensis:

Esta planta gigante foi descoberta apenas este ano pelo botânico Stewart Macpherson, que tinha como missão encontrar e fotografar as várias espécies de plantas carnívoras em todo o mundo. Encontrou-a no topo de uma montanha chamada Pico do Sultão, na ilha de Palawan, nas Filipinas.As plantas carnívoras são nomeados após uma análise de suas folhas altamente especializadas que formam “jarros” que enchem de água. Insetos, como moscas, são atraídos pelo néctar no jarro, mas seus lados são antiderrapantes, quando a presa cai não pode subir

3. Lagartixa de coleira dobrada Langkawi (Cyrtodactylus macrotuberculatus:

Esta lagartixa extraordinária foi descoberta pela primeira vez em 2008 em uma ilha da Malásia pelo Dr. Lee Grismer e sua equipe. Ela usa sua visão incrível e aderência para capturar suas presas que habitam a floresta durante a noite. Mas o que a fez a descoberta da década foi que esta lagartixa da floresta também tem sido encontrada em cavernas de calcário. A lagartixa da caverna é semelhante àqueles que vivem na floresta, mas tem algumas diferenças notáveis visíveis. O Dr Grismer acredita que esta poderia ser uma evolução da espécie. As lagartixas podem ter ido para as cavernas para fugir dos predadores - especificamente jararacas que vivem na floresta.

2. Morcego do nariz amarelo :

Este morcego com orelhas e nariz amarelo, que lembra o Yoda de Star Wars, foi descoberta na Papua-Nova Guiné. Embora visto em expedições anteriores, o morcego tem ainda de ser formalmente documentado como uma espécie nova, ou até mesmo nomeado. Como outros morcegos, porém, ele dispersa sementes das frutas em sua dieta, tornando o mamífero voador crucial para o ecossistema da floresta tropical.

1. Preguiça Pigmeu de coleira (Bradypus pygmaeus):

Esta espécie, descoberta na ilha de Escudo de Veraguas ao largo da costa do Caribe, mostra o quão rapidamente o processo de evolução pode acontecer. A preguiça pigmeu foi isolada no seu habitat na pequena ilha de apenas 9.000 anos - quando os níveis do mar tornaram a ilha separada do continente. As preguiças são mais lentas e mais calmas do que seus parentes do continente e, notadamente, eles podem nadar. Elas parecem estar adaptadas ao estilo de vida da ilha do Caribe. Preguiças Pigmeu possuem menos da metade do tamanho de uma preguiça normal e elas só comem folhas de mangue-uma dieta com baixos niveis de nutrientes que explica a sua baixa estatura.Existem apenas 200 espécies delas na ilha o que as torna vuneráveis.




Fonte:http://www.thenatureanimals.com

2 comentários:

Marcela A. disse...

EVOLUÇÃO G_G

Felipe Peixoto disse...

Muito legal essa evolução concordo certamente acho que muitos vão sumir ): omundoemquenaoconhecemos.blogspot.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...