quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Este animal não é uma lula e também não é um verme, na verdade é um verme lula

Cientistas do Instituto Oceanográfico Woods Hole e da Universidade da Califórnia, Santa Cruz, descobriram uma nova espécie no Mar de Celebes, que poderia ser o elo perdido entre as espécies que residem exclusivamente na lama do fundo do mar e aquelas que vivem apenas na coluna de água.
Os cientistas do Woods Hole chamaram a criatura recém-descoberta de verme lula porque ela tem características de ambas as espécies, mas desde então tem sido dado o nome científico de Teuthidodrilus samae. A criatura é um anelídeo, mesmo filo ao qual pertencem também as minhocas.
Os cientistas usaram um submarino operado remotamente para encontrar o verme lula entre 9.200 pés e 9.500 pés de profundidade (2.800 a 2.900 metros) na bacia entre a Indonésia e as Filipinas, a apenas 330 pés (100 metros) do piso do mar de Celebes. A espécie recém-descoberta parece ser extraordinariamente abundante para criaturas que residem em águas tão profundas.
Do tamanho da palma de uma mão, o verme lula tem um corpo cônico com uma cor que faz a transição do preto ao castanho. Os grandes músculos logo abaixo de sua pele, usados para a natação, possuem um brilho cintilante, rosa iridescente. Ao longo do lado do seu corpo existem cerdas brilhantes que o ajudam a nadar, e 10 longos apêndices que caem na sua frente - provavelmente usados para coleta de alimentos.

A bióloga marinha Karen Osborn afirmou que ”a espécie é uma descoberta particularmente interessante porque poderia representar um elo perdido, ou uma espécie de transição”.Osborn, é a principal autora do estudo sobre o verme lula, publicado na edição desta semana da revista Biology Letters."Esta é uma espécie intermediária entre os ancestrais bentônicos – os animais que vivem na lama no fundo do mar - e de outras espécies que vivem na coluna de água, mas nunca vão ao chão", disse Osborn .


O estudo da espécie recém descoberta poderia ajudar a reconstituir a história evolutiva dos seres e determinar quais as características que eles adaptaram. A bacia do Mar de Celebes é cercada por trincheiras que, segundo Osborn, impedem que a espécie fora da bacia se misture com as espécies dentro da bacia inferior a cerca de 1.500 metros. "É muito profunda e isolada do resto da água", disse Osborn. "Então, evolutivamente, os animais ali poderiam ser realmente diferentes.
"O mar realmente profundo foi pouco explorado, e com o verme lula vem a sugestão de que existam muitas espécies ainda desconhecidas."Encontrar grandes animais abundantes como este na coluna de água profunda nos mostra o quanto não sabemos sobre o que está lá embaixo", disse Osborn. "Imagine todas as outras coisas que poderiam estar lá embaixo."




Fonte:http://www.ouramazingplanet.com

Um comentário:

Tarso disse...

Caro Msc., isto é claramente um poliqueta que na época da reprodução faz metamorfose e sai do benthos para o plancton, processo chamado de epitoquia.... nada demais e não tem nada a ver com lula, por favor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...