sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Diplocaulus, o anfíbio com cabeça em forma de bumerangue

O Diplocaulus foi um anfíbio peculiar, sua cabeça era em forma de bumerangue e isso ajudava a criatura na manobra através da água, especialmente para subir rapidamente à superfície para capturar uma presa. A forma da cabeça é tão estranha que alguns cientistas, após a descoberta de fósseis de Diplocaulus, levantaram uma teoria que a criatura tinha um distúrbio hormonal.
Esta criatura viveu a 280 milhões de anos atrás e fósseis foram encontrados nos Estados do Texas e Oklahoma na área que agora é os Estados Unidos, bem como em Marrocos, na África. O Diplocaulus tinha em média 1,3 metros de comprimento e simulações de computador mostram que ele pesava cerca de 15 kg, que os torna um dos dinossauros mais leves.O corpo deste animal foi concebido para ter uma melhor hidrodinâmica, melhorada ainda mais pela cauda longa que servia como um remo. Ambos os lados do crânio do animal eram extremamente alongados, que aumentavam a velocidade de natação na água, similar à parte dianteira de um navio que quebra a água.
O Diplocaulus passava a maioria de seu tempo na água, porque seu corpo não era adequado para andar em terra firme. No entanto, é possível que indivíduos maduros desenvolvessem pulmões e começaram a respirar ar em terra. A investigação moderna mostra que o corpo deste animal necessitava muito pouco oxigênio, portanto, acredita-se que o Diplocaulus passava muito tempo deitado na parte inferior da bacia hidrográfica, o que também significa que o anfíbio tinha uma camuflagem que o deixava invisível no fundo do Rio.

Por um longo tempo, a forma do crânio do Diplocaulus era um mistério para os cientistas. Descobertas fósseis mostram que apenas os indivíduos maduros tinham esta anormalidade, enquanto espécimes mais jovens tinham apenas pequenas estruturas semelhantes a chifres. Muitas teorias foram criadas, em relação a quê essa estrutura de crânio serviu, até que em 1980 através de um estudo científico foi provado que, se não se posicionasse horizontalmente, o crânio interrompia o fluxo de água de uma forma que a criatura não mantinha um equilíbrio.
A pequena dimensão do Diplocaulus sugere que poderia ter sido presa de muitas criaturas maiores. Algumas teorias sugerem que o crânio dos Diplocaulus ajudava a assustar os inimigos, além de protegê-los de serem consumidos inteiro, enquanto a cauda longa, era provavelmente usada como uma arma. Ainda assim, entre todos os animais da época, o Diplocaulus era provavelmente um dos mais vulneráveis predadores de água.


Fonte: http://www.itsnature.org

2 comentários:

MiNhoKKa disse...

Diplocaulus não era um réptil, muito menos um dinossauro, mas um anfíbio.

v4ccine disse...

Valeu a intenção. Parabéns por isso.
Nem tudo que é bizarro e/ou extinto é dinossauro, falhou na pesquisa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...