quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Sal utilizado nas estradas para degelo pode provocar a mudança de sexo em populações de rãs

Produtos químicos naturais encontrados em sais comumente usados para degelo em superfícies pavimentadas pode alterar as proporções de sexo em populações de rãs nas proximidades, um fenômeno que poderia reduzir o tamanho e a viabilidade das populações de espécies, de acordo com um novo estudo realizado por cientistas da Universidade de Yale e do Rensselaer Polytechnic Institute (RPI). Os investigadores descobriram que a proporção de fêmeas dentro das populações de girinos foi reduzido em 10 por cento quando expostos ao cloreto de sódio utilizado para degelo, o que sugere que o sal tem um efeito masculinizante. Eles também descobriram que a exposição ao carvalho em decomposição também alterou significativamente as proporções de sexo nas populações de rã, bem como o numero de fêmeas em alguns casos.  Mais de 22 milhões de toneladas de sal é aplicado nos estradas nos Estados Unidos a cada ano. Bordo e carvalhos são árvores dominantes em toda a America do Norte. "Muitos cientistas têm estudado os efeitos similares de exposição a produtos farmacêuticos e pesticidas, mas agora estamos vendo que produtos químicos encontrados em sal comum e serapilheira também são prejudiciais", disse  Max Lambert , um estudante de doutorado de Estudos Florestais e Ambientais de Yale e autor principal do artigo.
 "A saúde e a abundância de fêmeas é, obviamente, crucial para a sustentabilidade de qualquer população, porque eles são os únicos que fazem os filhotes", disse Lambert. "Então, se você tem uma população que está se tornando masculina, a população pode estar em risco."
 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Bioeconomia dos EUA recebe um impulso com incentivos do USDA

Os fundos serão fornecidos através do Programa de Assistência a Biomassa (BCAP) do USDA , que vai ajudar a atenuar as alterações climáticas, melhorar a saúde das florestas, promover uma economia de energia limpa e reforçar mercados para os produtos rurais. Desde 2009, o USDA diz que seus esforços incluíram mais de 2.700 produtos de base biológica através do BCAP.
"Os investimentos do USDA na expansão de matérias-primas de biocombustíveis estabelecem as bases para mais bio produtos feitos na América rural, apoiando o desenvolvimento económico rural, reduzindo a poluição de carbono e ajudando a diminuir a nossa dependência energética externa", disse o Administrador do Farm Service Agency (FSA) Administrador do USDA. No ano fiscal de 2017, há um total de US $ 3 milhões disponíveis para o BCAP.


segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Parceria público-privada espera transformar a região de Flandres na Bélgica em um novo centro europeu de bioeconomia

Uma parceria público-privada sem fins lucrativa chamada Flanders Biobased Valley (FBBV) e vários aliados-chave esperam transformar a região de Flandres na Bélgica como um novo centro europeu de atividade econômica de base biológica. Mais de € 500 milhões já foram investidos na bioeconomia da região.
Em uma economia de base biológica ou bioeconomia os combustíveis e produtos químicos são produzidos a partir de materiais derivados de plantas em vez de petróleo ou de outros combustíveis fósseis. O termo "bioeconomia" abrange a agricultura e processadores de base florestal e seus produtos, como alimentos e papel, bem como os têxteis e os produtos químicos e plásticos não são produzido a partir de matérias-primas de combustíveis fósseis. Biocombustíveis e bioenergia (sob a forma de calor) são também uma parte da bioeconomia. Coletivamente a bioeconomia gerou mais de € 2 trilhões em 2013, de acordo com o consórcio de Indústrias bio baseadas. Considerando que alguns dos produtos fabricados pelas indústrias de produtos químicos, farmacêuticos e plásticos são agora 100 por cento de base biológica, como corantes naturais, enzimas e ácidos graxos, outros produtos que, tradicionalmente, tinham sido feitas a partir de combustíveis fósseis agora são parcialmente baseados em matérias-primas biológicas.
Empresas de base biológica tradicionais, como as de biodiesel, papel, fermento, e produtores de gelatina, há muito tempo operam na área de Ghent, mas agora Flanders está buscando agregar valor para a economia regional, desenvolvendo agressivamente um conjunto de indústrias de base biológicas mais novas e mais avançadas, sem matéria-prima proveniente do combustível fóssil.
“O fundador da FBBV, o professor da Universidade de Ghent Wim Soetaert, está satisfeito com o progresso que Flanders está fazendo no crescimento de sua bioeconomia”, particularmente em termos de desenvolvimento de biocombustíveis. “Nós construímos as capacidades de produção significativas”, disse ele. Nos próximos cinco anos, ele espera estimular outros € 500 milhões em investimento através FBBV. Ele gostaria de ver estes novos investimentos feitos principalmente em fábricas que produzem produtos de base biológica, como bioplásticos ou biodetergentes. Mas ele tem dúvidas de que esses fundos podem ser levantados no futuro próximo. "A razão é clara", disse ele, "a queda dos preços do petróleo." No entanto, se um preço alto for colocado na emissão de CO2 sob a forma de imposto sobre o carbono ou através de um sistema de comércio de carbono, produtos de base biológica se tornariam mais competitivo, frisou.
As Indústrias do Consórcio "pretende agora colocar € 3.8 mil milhões euros na atividade de base biológica", disse Soetaert. Este investimento pode ser implantado em qualquer lugar da bioeconomia, como nas indústrias alimentícia, química, biomateriais, ou de combustível. Seria difícil atrair capital nessa escala, de acordo com Soetaert. "Vamos ver se isso funciona, vai ser uma jornada difícil." Se a visão de longo prazo do FBBV e do Dr. Soetaert for cumprida, a Zona do Canal Ghent se tornaria um pouco como um Vale Europeu do Silício, com empresas pioneiras no desenvolvimento e comercialização de produtos de base biológica de segunda e terceira geração. Enquanto bens de base biológica de primeira geração são produzidos diretamente a partir de açúcares de plantas e amidos, bens de segunda geração são feitos de celulose e outros materiais e bens de terceira geração são produzidos com algas. Os bioprodutos também estão produzindo benefícios ambientais. Ao longo dos sete anos em que o cluster tem operado, ele evitou a emissão de cerca de cinco milhões de toneladas de CO2. " uma grande quantidade de CO2 não está sendo produzido hoje, graças a esta biorrefinaria", observou Soetaert. Se as indústrias de base biológica em Flandres perceberem o seu potencial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, Soetaert acredita que eles devem passar de tecnologias de produção de primeira geração de base biológica para segunda e até mesmo tecnologias de terceira geração.


domingo, 27 de novembro de 2016

Bioeconomia,uma oportunidade para enfrentar os desafios da sociedade

A bioeconomia e a economia circular fazem parte da "economia verde", cujo objetivo é aumentar a prosperidade, mantendo os sistemas naturais que nos sustentam. Embora a bioeconomia e a economia circular compartilhem esta visão comum, elas não são dois conceitos idênticos. Ou seja, a economia circular refere-se especificamente a uma economia industrial que busca restaurador e promover uma maior produtividade e eficiência dos recursos. Ela aborda materiais que não são de origem biológica ao lado de recursos biológicos e incentiva a redução de resíduos em toda a cadeia de fornecimento e ciclo de vida de um produto.
A bioeconomia tem também como objetivo dar tal circularidade, mas além disso também incide sobre a produção sustentável de recursos biológicos, nomeadamente a biomassa, através de setores, como a agricultura, silvicultura, pesca e a aquicultura. Além da produção de recursos primários, que engloba as indústrias de biomassa, que vão desde alimentos a bioindústrias e de energia. Além disso, a bioeconomia aborda mais sobre a produção; incidindo na biodiversidade, nos ecossistemas e nas energias renováveis. A natureza transversal da bioeconomia oferece uma oportunidade única de conciliar usos competitivos de biomassa, enquanto abrangente os desafios da sociedade, como a redução da dependência dos recursos fósseis, ou a segurança alimentar global, ao abordar os trade-offs. Assim, tanto a economia circular como a bioeconomia trabalham para reforçar uma a outra e isso é importante para aumentar o seu potencial. A Bioeconomia é um campo complexo com multi-camadas, onde o desenvolvimento de novas cadeias de valor depende da colaboração ativa de uma ampla gama de partes interessadas, como os agricultores, a indústria, pesquisadores e autoridades públicas. Isto implica no desenvolvimento de novas sinergias, mas também de novas interdependências, os quais também implicam na construção de confiança entre as partes interessadas.
Além disso, os produtos e serviços na bioeconomia só podem se tornar economicamente viáveis quando são aceitos pela sociedade, e não depende só da qualidade destes produtos e do própria serviço, mas também na confiança que os cidadãos têm na governança da bioeconomia, o que a leva aos princípios deasustentabilidade e igualdade social.
Assim, é fundamental que a sociedade esteja envolvida no desenvolvimento e na governança da bioeconomia. Consequentemente, tal como foi sublinhado durante a Conferência sobre a Bioeconomia em Bratislava no dia 17 de outubro 2016, os sistemas adequados de envolvimento, sensibilização, educação e formação da sociedade devem ser desenvolvidos, já que não há economia sustentável sem a participação direta da sociedade civil para a sua construção, com uma avaliação social da bioeconomia.
https://www.euractiv.com

sábado, 26 de novembro de 2016

Cento e dois milhões de árvores morreram devido a seca na Califórnia

Os  seis anos de seca na Califórnia deixou 102 milhões de árvores mortas em todo os 7,7 milhões de acres de florestas existentes, o Serviço Florestal dos EUA (USFS)  anunciou estes números  através de um levantamento aéreo. Se isso não é horrível o suficiente, 62 milhões de árvores morreram só no ano de 2016, um aumento de mais de 100 por cento em relação a 2015."O que esta ocorrendo na Califórnia é sem precedentes em nossa história moderna", afirmou Randy Moore, um engenheiro florestal do Serviço Florestal dos EUA,ao  Los Angeles Times , acrescentando que as árvores estão morrendo "a um ritmo muito mais rápido do que pensávamos." "Você está do outro lado da colina em um lado da estrada, e você vê uma vasta paisagem de árvores mortas", acrescentou Adrian Das, um ecologista do US Geological Survey, cujo escritório está localizado no Parque nacional da Sequóia. "É bastante surpreendente."A maioria das árvores mortas estão localizados em 10 municípios da região sul e centro de Sierra Nevada. "Cinco anos consecutivos de seca severa na Califórnia, um aumento dramático de infestação de besouros na casca das arvores e temperaturas mais quentes estão levando a esses níveis históricos de árvores mortas", finalizou o USFS.


Fonte: http://www.care2.com/

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Como a energia solar está trazendo segurança alimentar para a África

Malawi é um dos países mais pobres do mundo.Noventa por cento dos malauianos vivem em áreas rurais, a agricultura representa 80 por cento da força de trabalho e 80 por cento de suas exportações.Com tantas pessoas dependentes de coisas que crescem a partir do solo, perturbações no clima ameaça o bem-estar de uma nação inteira.Durante séculos, os agricultores do Malawi tem aprendido os padrões das estações do ano - quando plantar suas sementes, a fim de capturar as chuvas que regam o chão e trazem o alimento para comer e vender. Mas esse conhecimento que salva vidas está se tornando inútil, como os padrões de chuva estão sendo distorcidos por um clima em mudança e o evento climático El Nino, que este ano criou a pior crise alimentar em 25 anos.
No entanto, graças as instalações de captação de energia   solar, as pessoas mais pobres e moradoras nos locais mais remotos no Malawi estão transformando a energia do sol para a sua vantagem através  de sistemas de irrigação, que estão ajudando a resolver os estragos da mudança climática.
A Captação de energia solar é mais comumente conhecido por seu potencial para transformar o fornecimento de energia elétrica  do mundo. fazendas solares estão surgindo em todo o lugar, e os custos continuam a despencar. Somente este mês, a Agência Internacional de Energia divulgou números mostrando que no ano passado, em todo o mundo, meio milhão de painéis solares foram instalados.Mas para os agricultores do Malawi, a magia da tecnologia solar tem outra forma mais imediata de assistência - ela os ajuda a molhar suas plantas.
Fonte:http://www.theecologist.org

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A Bioeconomia em um mundo sem poluição pelo carbono

Este gráfico, adaptado do Professor Piers Forster , ilustra um cenário para manter o aumento da temperatura global, bem abaixo dos 2 graus Celsius . Ele destaca a necessidade de reduzir as emissões com a utilização de produtos de baixo carbono (barras azuis) ao mesmo tempo, intensificando os remoção de carbono antropogênico (barras amarelas).


Alcançar as metas climáticas definidas em Paris exigirá ação dramática de todos os setores da economia ao longo de um período de várias décadas. Enquanto a energia e o transporte são as maiores fontes de emissões nos Estados Unidos, o clima futuro também depende em grande medida sobre o ciclo do carbono biológico. O dióxido de carbono é absorvido da atmosfera pela fotossíntese e armazenada por meses, décadas, ou mesmo milênios em plantas, árvores e solos, e mais tarde devolvido para a atmosfera quando as plantas morrem e quando o carbono armazenado nos solos é oxidado. Este ciclo mantém uma grande quantidade de carbono na atmosfera, o que é descrito como um sumidouro de carbono. Biocombustíveis, bioenergia e outros produtos de base biológica estão assentados na intersecção da energia e das emissões de combustíveis de transporte e o ciclo do carbono biológico, por isso, temos de considerar e compreender o seu papel em um mundo livre de poluição de carbono.
Para retardar e, finalmente, estabilizar as temperaturas globais, a ciência do clima descobriu que vamos precisar trazer as emissões líquidas de gases retentores de calor à zero, com emissões em curso equilibrada por um aumento do seqüestro de carbono nas florestas, solos ou armazenamento geológico. No ano passado, em Paris, as nações do mundo se comprometeram a atingir a meta líquida de zero na segunda metade do século.  Os defensores da bioeconomia argumentam que, em um mundo de baixo carbono vai ser precisa muitas substituições de baixo carbono para produtos atualmente fabricados a partir de combustíveis fósseis. Uma chave racional para os biocombustíveis e bioenergia tem sido o seu potencial para emissões mais baixas de carbono do que combustíveis fósseis que substituem ou complementam. Mas atingir uma economia líquida de zero requer um nível mais elevado de ambição. Todos os aspectos da economia não devem simplesmente reduzir as emissões em comparação com o cenário do atual status quo, mas sim deve fazer com que as emissões líquidas cheguem a zero na segunda metade do século. Trazer a emissão líquida a zero exigirá constante ampliação de sumidouros de carbono, tanto para compensar setores econômicos em que não é viável trazer as emissões a zero, como para alcançar perfis líquidos de emissões negativas consistentes com a estabilização do clima na segunda metade do século. Essas metas são ilustrados no gráfico acima, as barras azuis refletem a necessidade de reduzir drasticamente as emissões, enquanto as crescentes barras amarelas mostram a importância de aumentar os sumidouros de carbono.

Fonte: http://blog.ucsusa.org/

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Bioeconomia foi o tema central do III Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa-Brasília

A 3ª edição do Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia (III EnPI) aconteceu de 8 a 10 de novembro de 2016, na sede do centro de pesquisa, em Brasília/DF. O evento teve como objetivo estabelecer um fórum de discussões sobre temas relevantes na sua área de atuação da Unidade, além de dar oportunidade aos colaboradores que atuam nos laboratórios deste centro de pesquisa para exporem seus trabalhos.
Assim como em 2015, o Encontro contou com palestras, mesas-redondas, grupos de discussão e apresentação de pôsteres e seminários, tendo como tema central Bioeconomia: o papel da química verde e dos biomateriais. O III EnPI foi aberto ao público externo: outras unidades de pesquisa da Embrapa, universidades e institutos de pesquisa e inovação. Na Sessão "Pesquisa e Inovação Embrapa Agroenergia", foram apresentados a visão da Embrapa Agroenergia, bem como de projetos e linhas de pesquisa atualmente em curso no referido tema. O III EnPI foi promovido pelo Núcleo de Apoio à Programação (NAP) da Embrapa Agroenergia, juntamente com a Chefia de Pesquisa e Desenvolvimento e conta com o apoio da FAP-DF, Boeing e Ubrabio.


Fonte: https://www.embrapa.br/

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A energia eólica está em ascensão nos EUA

A indústria de energia eólica dos EUA está comemorando depois de atingir um novo marco em novembro: 70 gigawatts (GW) de capacidade de geração. "Isso é o suficiente para abastecer cerca de 19 milhões de lares", diz Michael Goggin, diretor sênior de pesquisa da American Wind Energy Association (AWEA).
Existem mais de 50.000 turbinas eólicas operando em 40 estados e em Porto Rico, de acordo com a AWEA. A energia eólica tem crescido rapidamente nos últimos anos. Em 2012 tinha uma capacidade de 50 GW e 60 GW. O crescimento foi temporariamente paralisado porque os membros do Congresso deixaram que o crédito tributário federal expirasse. Mas agora os tempos do crescimento estão de volta. O orçamento federal, aprovada pelo Congresso e assinado pelo Presidente Obama na semana passada, inclui uma extensão da Renewable Energy Production Tax Credit por cinco anos. Fazendo com que as ações das empresas de energia solar e eólica subissem. Como uma fonte de eletricidade de baixo carbono, a energia eólica também teve um impulso do acordo sobre alterações climáticas de Paris e do Plano de Energia Limpa da administração Obama.
Há muito espaço para crescer, também. A maior parte da eletricidade do país ainda vem de combustíveis tradicionais: carvão, gás natural e nuclear. A eólica representa apenas uma fração do total da produção. "Estamos nos aproximando dos 4,5 a 5 por cento do consumo total de eletricidade nos Estados Unidos", diz Goggin. Em 2007 - há apenas oito anos - esse número era inferior a 1 por cento. Uma razão de a geração eólica estar se tornando mais competitivo é o preço. "O custo da energia eólica baixou 66 por cento - ou dois terços - desde 2009", diz Goggin, que credita as novas tecnologias e a economia de escala, com a indústria se tornando maior.Goggin concluiu ainda que a indústria eólica está no bom caminho para cumprir um plano estabelecido pelo Departamento de Energia dos EUA para gerar um quinto da eletricidade do país até 2030.


Fonte: http://www.enn.com/

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Por que as aves marinhas comem plástico?

Histórias comoventes de aves marinhas que comem plástico estão em toda parte, mas agora os cientistas estão intrigados com duas questões importantes: Por que as aves marinhas comem plástico ? E por que são mais propensas a terem  barrigas cheias de plástico  do que as outras aves?
A resposta, ao que parece, está em um composto chamado  dimetil sulfeto , ou DMS, que emite um "grito química" que algumas aves associam a alimentos. Quando as aves marinhas encontram pedaços  de plástico na água, elas os devoram, não percebendo que estão  consumido algo muito perigoso.
Pesquisadores da Universidade da Califórnia, levaram algumas amostras de plástico  e deixaram marinar no oceano antes de trazê-los para o  laboratório que tem equipamentos extremamente sensíveis para farejar assinaturas químicas únicas.
Os pesquisadores descobriram que o plástico cheirava - a partir da perspectiva de um pássaro, a DMS, um composto emitida por algas em decomposição. As algas comumente exalam DMS quando estão impregnadas com krill e outros microorganismos que algumas aves alimentam-se, por isso, o cheiro é essencialmente como um chamado para o jantar.
Este achado também forneceu uma visão sobre por que algumas aves são mais propensas a comer plástico do que outros. Aves que respondem ao DMS fazem isso porque elas têm uma  sensibilidade  a ele, e usam este perfume para rastrear fontes de alimento.Outras aves  que não dependem de algas para se alimentar comem plástico, mas em muito menor número. O estudo também poderá ser útil para examinar o consumo de plástico em outras espécies além das aves, e poderá indicar que outros compostos plásticos emitem seus próprios sinais para a vida selvagem com fome.

Fonte: http://www.enn.com

domingo, 20 de novembro de 2016

Corais do Caribe sobrevivem às mudanças climáticas

Metade de todas as espécies de coral no Caribe foram extintos entre 1 e 2 milhões de anos atrás, provavelmente devido às mudanças ambientais drásticas. Quais os que sobreviveram? Os cientistas que trabalham no Instituto de Pesquisa Tropical Smithsonian (STRI) acham que um grupo de sobreviventes, corais do género Orbicella, continuará a se adaptar às mudanças futuras de clima devido à sua elevada diversidade genética.
"Ter um monte de variantes genéticas é como comprar um monte de bilhetes de loteria", disse Carlos Prada, principal autor do estudo e Fellow Earl S. Tupper Pós-doutorado no STRI. "Nós descobrimos que mesmo um pequeno número de indivíduos de três diferentes espécies do gênero de coral Orbicella tem um pouco de variação genética, e, portanto, são susceptíveis de se adaptar a grandes mudanças no seu ambiente."
 "As implicações destes resultados vão além da ciência básica", disse Monica Medina, pesquisadora associada ao STRI e do Museu Nacional de História Natural Smithsonian e professora associada da Universidade Estadual da Pensilvânia. "Podemos usar abordagens semelhantes no futuro para prever modelos demográficos para melhor gerir os corais de recifes Orbicella devido às mudanças do clima de hoje." Acrescentou a professora.

http://www.naturalnews.com/

sábado, 19 de novembro de 2016

Sem abelha sem alimento: planta melífera Amor-agarradinho (Antigonum leptopus)

Amor-agarradinho, Amor-entrelaçado, Bela-mexicana, Cipó-coral, Cipó-mel, Coralita, Georgina, Lágrima-de-noiva, Mimo-do-céu, Rosa-da-montanha, Rosália ou Viuvinha é uma trepadeira originária do México e América do Norte da família das Polygonaceas e tem ciclo perene, atingindo de  9.0 a 12 metros de altura.
Planta arbustiva tuberosa, trepadeira tipo liana de ramos finos e flexíveis, providos de gavinhas, com folhas verde-claro em forma de coração e flores pequenas completas, cor-de-rosa ou brancas, numerosas e muito duradouras, reunidas em grandes inflorescências, muito apreciadas pelas abelhas.
Muitos produtores de mel a cultivam para alimento destes insetos. Floresce praticamente o ano todo. Necessita de muito sol e pode ser cultivada em todo o país. Não é exigente em fertilidade do solo, mas na cova de plantio colocar composto orgânico de folhas e adubo animal garantirá sua floração abundante.
Anualmente no inverno colocar mais composto orgânico, adicionando adubo granulado formulação 4-14-8 para uma bela floração.
As regas devem ser regulares, pois no verão sofre com a seca. Pra fazer propagação da planta basta semi-enterrar um dos ramos flexíveis no solo que enraizará facilmente.Se não dispuser de espaço, faça um alporque de ramo, colocando musgo sfagno (Sphagnum) úmido junto a uma ou duas gemas. Antes retirar com cuidado as folhas nascidas nestas gemas, fazer uma pequena escarificação com estilete limpo abaixo delas e cobrir com plástico, amarrando nas duas pontas para manter no lugar. Quando notar que estão se desenvolvendo raízes, cortar abaixo do alporque e plantar a muda.

Pode ser encontrada com mais raridade na cor branca.
É uma excelente liana para cobrir cercas de divisas em locais ensolarados e colocar em treliças e pergolados. O único inconveniente são as abelhas que a procuram.Para produzir esta bela trepadeira podemos usar substrato bem leve, de casca de arroz carbonizada, areia e terra vegetal compostada feita de adubo animal, folhas e restos vegetais, colocando em sacos de tamanho médio ou baldes moles. Proteger o orifício de drenagem com cascalho ou brita e areia úmida. Colocar o substrato e plantar as estacas.Estas deverão ser retiradas da planta matriz, cortando um ramo, procurando retirá-lo inteiro, tarefa um pouco difícil, já que eles se enredam na planta. Cortar as estacas com 20 a 25 cm de comprimento, retirando-se as folhas que resguardam as duas gemas inferiores.Enterrar as duas gemas no substrato, regando bem a seguir. Manter as mudas em cultivo protegido até que estejam enraizadas e iniciem seu desenvolvimento, levando então para cultivo ao sol.Como esta planta é um cipó, irá enredar-se em qualquer outra planta próxima. No cultivo comercial de trepadeiras, há o costume de manter-se um tutor geral feito de arame com moirões, dificultando depois a retirada da muda para comercialização. Recomenda-se que se faça tutor de sarrafo tipo escada individual para que a planta se desenvolva melhor e produza bela camada de flores, para obter um produto de boa qualidade para a venda.
Abelhas observadas nessa espécie de planta coletando pólen e néctar:

Abelha européia ou africanizada (Apis mellifera)
Iraí (Nannotrigona testaceicornis)
Mirim (Plebeya spp)
Irapuá (Trigona spinipes)

Fonte:http://www.jardineiro.net/plantas/amor-agarradinho-antigonon-leptopus.html
- Faz Fácil – http://www.fazfacil.com.br/jardim/trepadeira-amor-agarradinho

- Flores e abelhas em São Paulo, José Rubens Pirani e Marilda Cortopassi-Laurino.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

A incrível aranha folha seca

Uma ótima estratégia de sobrevivência na natureza é a camuflagem. Ela é ótima para se esconder de predadores e atacar presas que nem desconfiam da sua presença. Uma espécie de aranha do gênero Poltys acaba de ser oficialmente identificada. Isso só foi acontecer em 2016 porque ela tem um disfarce impecável de folha seca. A descoberta foi publicada em um estudo, mas o aracnídeo ainda não tem nome científico, e a sua descrição detalhada ainda não foi feita. A descoberta aconteceu em 2011, mas foram necessários cinco anos de pesquisa para confirmar que era uma espécie nova.
O que surpreende sobre a espécie que se finge de folha seca é que essa camuflagem é muito mais comum em insetos, e não em aracnídeos. A ordem Phasmatodea, por exemplo, tem centenas de espécies de bicho-pau, que parecem galhinhos de árvores. Cerca de 100 espécies de aranha têm características que as fazem parecer com um animal inanimado ou com algo com gosto ruim, como raminhos de árvores, detritos de árvores e até cocô de passarinho. Essa é a primeira espécie de aranha, porém, que tem forma de folha.


Fonte: http://www.livescience.com/ 

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

A maior minhoca do mundo

A minhoca gigante pode até botar medo por sua aparência de cobra, mas ela é inofensiva. Além disso, elas são muito difíceis de serem encontradas ou aparecerem em algum lugar, passando a maior parte de suas vidas escondidas no subsolo. As suas tocas não são muito profundas, sendo cerca de um a um metro e meio abaixo da superfície.
Elas só realmente aparecem quando o seu habitat é afetado. Às vezes, as fortes chuvas encharcam demais o solo e obrigam-nas a emergir da terra. Algumas vezes também é possível encontrá-las onde houve deslizamento de terra ou desabamento. Esses baitas minhocões também são muito frágeis e uma manipulação humana brusca pode facilmente esmagá-los e matá-los.
Apesar de seu tamanho grande, a população das minhocas gigantes de Gippsland é muito pequena. As principais causas são a perda freqüente de seu habitat, juntamente com uma baixa taxa de reprodução. Por essas razões, estas minhocas foram consideradas "vulneráveis" pela Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza.


Fonte: http://www.odditycentral.com/

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

As cinco aranhas mais perigosas e venenosas do mundo

Enquanto algumas espécies são bastante inofensivas e sem qualquer tipo de veneno, existem aquelas verdadeiramente perigosas – que podem matar o ser humano com algumas picadas. Neste post veremos alguns desses exemplos temidos de aranhas das quais você certamente não quer se aproximar em qualquer situação. 

1-Aranhas-armadeiras
As armadeiras são consideras as aranhas mais venenosas e fatais do planeta segundo o Guiness Book. E, infelizmente, são extremamente comuns em todo território brasileiro. Elas têm em média um corpo de 5 centímetros e patas de até 17 centímetros, carregando doses de veneno extremamente fatais (para se ter noção, somente 0,006 mg é suficiente para matar um rato).É a segunda aranha que mais causa acidentes no Brasil, atrás apenas das aranhas-marrons. Contudo, diferentemente dessas últimas, as armadeiras são bastante agressivas, atacando por vontade própria. Mais de 7 mil casos já foram registrados no país, porém poucas mortes aconteceram, já que os antídotos são bastante comuns e eficientes.

2- Aranhas-marrons
Popularmente conhecidas no Brasil, elas são famosas por suas picadas necrosantes e dolorosas – que em alguns casos podem trazer problemas irreversíveis se não forem tratadas rapidamente. Não são grandes (possuem entre 4 e 6 centímetros) e são bastante discretas, pois também não costumam atacar.Só picam quando se sentem confrontadas, quando entramos em contato direto com elas. O veneno é bastante poderoso, porém age de um modo mais lento, o que garante um tratamento antes do necrosamento dos membros.

3- Aranhas-de-areia
Felizmente, esses aracnídeos estão em áreas desérticas e pouco habitadas por nós humanos, como os desertos da África e Ásia. O veneno é bastante poderoso, de efeito semelhante ao proporcionado pelas aranhas-reclusas, porém não possui qualquer tipo de antídoto. As picadas causam necrose do tecido cutâneo e sangramento pelos orifícios do corpo e podem levar à morte.

4- Aranhas-teias-de-funil
Típicas da Austrália, essas aranhas são conhecidas por ter presas bem grandes que podem chegar a 2 centímetros. O veneno que carregam é muito poderoso, considerado um dos mais fatais do mundo. Apesar de existir um antídoto para o veneno, ele deve ser aplicado rapidamente (em questão de horas), já que as pessoas podem ter sequelas permanentes ou entrar em óbito.

5- Viúva-negra
A viúva-negra é uma espécie de aranha que vive nas Américas, inclusive no Brasil, especialmente nas costas dos continentes. A fêmea possui coloração negra brilhante, com larga mancha vermelha em forma de ampulheta na superfície ventral do abdômen. A sua picada pode ser fatal e é considerada extremamente dolorosa.


terça-feira, 15 de novembro de 2016

O menor peixe do mundo

A resposta a esta pergunta é bem difícil de acreditar, pois o tal animal não é visto a olho nu com facilidade. No mundo das águas, o menor animal do mundo é um peixinho chamado gobio filipino, que cabe na ponta de um dedo facilmente. Ele mede apenas 7,9 milímetros, mas já foram encontrados alguns peixes gobio filipino medindo apenas 7,6 milímetros. Tão pequeno que quase passa despercebido!
 O menor peixe do mundo, o gobio filipino, vive em uma região da ilha de Sumatra, na Indonésia. O tal peixe tem como classificação cientifica o parecer de pertencer à família dopaedocypris pedogenética. Para os cientistas, ele é um primo distante da conhecida carpa, mas seu tamanho deixa claro que o parentesco é bem distante, não? A descoberta do gobio está no Guiness Book da ciência, o famoso livro dos extremos. Até hoje ainda não foi encontrado um animal peixe menor, por isso o registro do gobio permanece no livro dos records com louvor.


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

O estranho Tubarão-duende

A natureza está sempre nos surpreendendo! Mesmo depois de tanto tempo, volta e meia ainda nos deparamos com algumas coisas que nunca tínhamos visto antes, e que justamente por isso causam um certo estranhamento. De lugares extraordinários a fenômenos inexplicáveis, são muitas as novidades já descobertas, e muitas outras surpresas que ainda estão aguardando pelo momento em que vão ganhar a atenção do homem. Os animais geralmente são os que chamam mais atenção, e aqueles ditos estranhos são mais fascinantes ainda, veja o caso do Tubarão-duende.
O Tubarão-duende é, provavelmente, uma das espécies de peixes mais assustadoras que existem. Vivendo em águas profundas — a partir dos 200 metros —, esse tubarão chega a ter até 4 metros de comprimento e pode ser encontrado nos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico.
Acredita-se que esse é um dos tubarões mais antigos do mundo e, por mais que saibamos que ele se alimenta de polvos, lulas e outros moluscos, não há como deixar de se assustar com a mordida desse peixe. Ele projeta a mandíbula para frente ao atacar um objeto, lembrando um pouco a boca interna dos monstros do filme “Alien”.
Essa também é a única espécie de tubarão que possui uma coloração rosa quando está vivo, e isso se deve ao fato de que sua pele semitransparente deixa os vasos sanguíneos à mostra. Até o momento, foram encontrados 45 espécimes de tubarão-duende pelo mundo, sendo que o mais pesado deles tinha 210 quilos. Um dos últimos registros de encontro com essa espécie aconteceu no Brasil, quando um exemplar foi encontrado morto, no Rio Grande do Sul e, posteriormente, doado para o Museu Oceanográfico da Fundação Universidade Federal do Rio Grande.


Fonte: http://www.boredpanda.com/ 

domingo, 13 de novembro de 2016

Morcego brasileiro é o animal voador mais rápido do mundo

Em um novo estudo na revista Royal Society Open Science, os pesquisadores explicam que, até agora, os morcegos eram considerados mais lentos do que os pássaros, graças ao fato de que a morfologia de suas asas tende a gerar mais arrasto, enquanto suas orelhas grandes também os retardam enquanto voam pelo ar.No entanto, depois de medir a velocidade de vôo de sete morcegos de cauda livre brasileiros ao longo de uma semana, a equipe descobriu que eles são capazes de rajadas curtas de vôo horizontal extremamente rápidas, atingindo uma velocidade máxima de 160,2 quilômetros por hora. Não só esta velocidade não é igualada por qualquer outra espécie de morcego, mas também supera a maior velocidade de vôo horizontal já registrada em aves – 112 quilômetros por hora, registrada pelo andorinhão-preto.
Para coletar os dados, a equipe anexou pequenos transmissores de rádio às costas dos morcegos e rastreou os sinais emitidos por esses dispositivos usando receptores em aeronaves que seguiram os mamíferos em suas viagens noturnas.Segundo os pesquisadores, os morcegos foram capazes de atingir essas velocidades vertiginosas planando: eles aumentam os intervalos entre cada aba de suas asas e simplesmente deslizam através do ar.A equipe ficou um pouco surpresa com sua descoberta, e certamente não esperava descobrir que um morcego era o maior velocista aéreo do mundo. Em uma declaração, o co-autor do estudo, Kamran Safi, explicou que “dificilmente poderíamos acreditar em nossos dados, mas eles estavam corretos: às vezes, as fêmeas, que pesam entre 11 e 12 gramas, voavam a velocidades de mais de 160 quilômetros por hora, um novo recorde para o voo horizontal”.

Fonte: http://www.iflscience.com/

sábado, 12 de novembro de 2016

Você sabe qual é o animal mais raro do mundo?

É a tartaruga da espécie Rafetus swinhoei, com apenas quatro exemplares conhecidos – um casal num zôo chinês e dois machos em lagos do Vietnã. Os dados são da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). Embora essa tartaruga seja uma espécie ameaçada, é importante esclarecer que raridade não significa, necessariamente, risco de extinção.
“Há espécies com poucos indivíduos (muito raros) e que não enfrentam ameaças, portanto têm pouco risco de desaparecer. Outros animais, porém, estão em maior quantidade na natureza, mas enfrentam severos riscos de sobrevivência como espécie”, explica Catherine Sayer, profissional associada da IUCN. Por muito tempo, o animal mais raro do mundo foi a tartaruga Lonesome George (Solitário George), único representante da espécie Chelonoidis nigra abingdonii, que vivia em Galápagos e morreu em 2012.A Rafetus swinhoei pode medir mais de 1 m de comprimento e pesar até 180 kg.Desde 2008, biólogos do zoológico de Suzhou, China, tentam, sem sucesso, acasalar esta fêmea com o único macho sobrevivente em cativeiro.

FONTES: Estudo Priceless or Worthless? da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais) e nationalgeographic.com imagem Divulgação/reprodução

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Sem abelha sem alimento: planta melífera Astrapéia

Nome Científico: Dombeya wallichii

Nomes Populares: Astrapéia, Astrapéia-rosa, Dombéia, Flor-de-abelha

Família: Malvaceae

Categoria: Árvores, Árvores Ornamentais

Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Subtropical, Tropical

Origem: África, Madagascar

Altura:  4.7 a 6.0 metros

Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene


Também conhecida por Astrapéia, Astrapéia-rosa, Dombéia e Flor-de-abelha é uma árvore ornamental originária de Madagascar que pode chegar até a 7 metros de altura. É uma planta de clima Equatorial, Mediterrâneo, Subtropical, Tropical e deve ser cultivada em meia sombra ou sol pleno, e seu ciclo de vida é perene.
A astrapéia se espalhou pelo mundo por sua exuberância e popularidade. Ela apresenta ramos pubescentes, e porte pequeno para um árvore, alcançando cerca de 2 a 5 metros de altura. As folhas são grandes, cordiformes, perenes, de cor verde brilhante e pubescentes na página inferior. As inflorescências surgem no outono e inverno, e são umbeliformes, sustentadas por longos pedúnculos, pendentes, globosas e com numerosas flores de cor rosa a avermelhada, ricas em néctar e delicadamente perfumadas. Produz frutos do tipo cápsula, que se dividem em cinco partes.
A astrapéia é uma árvore de rápido crescimento e baixa manutenção, que se destaca principalmente em plantios isolados, mas que pode ser parcialmente sombreada por outras árvores ou construções. As inflorescências pendentes atraem muitas abelhas e possuem perfume agradável e suave, que lembra o côco. As flores velhas permanecem nos ramos, adquirindo uma cor amarronzada e devem ser removidas para um melhor aspecto da planta. Além disso essas flores velhas podem desprender um odor desagradável e atrair moscas. Com podas regulares de formação, é capaz de adquirir porte e formato arbustivo. Há diversos híbridos comerciais disponíveis.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Sendo de clima subtropical, a folhagem da astrapéia não é muito resistente a geadas fortes. Fertilizações na primavera e verão estimulam um crescimento saudável e florações exuberantes. Multiplica-se por sementes e mais facilmente por alporquia e estaquia de ramos semi-lenhosos ou de ponteiros.
Esta espécie é diferente da Astrapéia (Dombeya burgessiae) que é originária da África e tem flores claras com base rosa-intenso e da Astrapéia-branca (Dombeya natalensis).
Abelhas observadas nessa espécie de planta coletando pólen e néctar:
• Abelha européia ou africanizada (Apis mellifera)
• Irapuá (Trigona spinipes)
• Jataí (Tetragonisca angustula)
• Jataí-da-terra (Paratrigona subnuda)
• Mirim (Plebeya emerina)
• Mirim (Plebeya saiqui)
• Mandaçaia (Melipona quadrifasciata)
Floração: Junho a Outubro.


Bibliografia:
-
Jardineiro.net – http://www.jardineiro.net/plantas/astrapeia-dombeya-wallichii.html
- Flores e abelhas em São Paulo, José Rubens Pirani e Marilda Cortopassi-Laurino.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Você sabe qual é o maior vertebrado do mundo? E o menor?

São a baleia-azul (Balaenoptera musculus) e a rã Paedophryne amauensis, respectivamente.Quando adulta, a baleia-azul tem, em média, 24 m de comprimento e 160 toneladas – os machos também têm o recorde do maior pênis que existe, com membro de 2,4 m. A espécie está ameaçada de extinção e estima-se que existam entre 10 mil e 25 mil indivíduos, que vivem em torno de 85 anos e podem ser encontrados em todos os oceanos.
Já a Paedophryne amauensis, espécie de rã descoberta em 2009 em Papua Nova Guiné, chega a apenas 7,7 mm quando adulta – o tamanho de uma mosca. A rã é 3,1 mil vezes menor que a baleia.Pesquisadores norte-americanos, que documentaram a espécie pela primeira vez, acreditam que essa rã se adaptou para ser ignorada por grandes predadores.


FONTES National Geographic; Discovery e Guinness World Records

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

No Alaska nova espécie de baleia é encontrada

Há décadas, pescadores japoneses descrevem a existência de uma baleia muito rara, negra e bicuda, chamada de karasu – ou “corvo”. Como um exemplar nunca foi capturado ou encontrado morto e imagens com detalhes nunca foram registradas, cientistas acreditavam se tratar de apenas lendas.
Tudo isso mudou quando um indivíduo dessa espécie desconhecida foi encontrado morto em uma praia do Alaska em 2014. Cientistas confirmaram que se trata de uma nova espécie em um trabalho publicado no último dia 9, na revista Marine Mammal Science.
“Há muita gente pesquisando sobre baleias há muito tempo, mas nunca encontramos isso em uma pesquisa científica”, diz Phillip Morin, pesquisador geneticista no NOAA Southwest Fisheries Science Center, na Califórnia. “É uma coisa enorme descobrir isso. É surpreendente que não tenhamos visto isso antes”, diz ele.
O que incentivou Morin a procurar por essa espécie foi um trabalho publicado por cientistas japoneses em 2013, que sugeria que três baleias encontradas mortas no litoral japonês pudessem representar uma nova espécia. A conclusão do trabalho, porém, foi que as amostras eram muito pequenas e que era necessário expandir a pesquisa.
Quando a baleia morta foi encontrada no Alaska em 2014, a National Geographic descreveu o acontecimento: “um jovem professor de biologia viu a carcaça parcialmente enterrada na areia em uma praia remota. Ele alertou uma pesquisadora, que pensou se tratar de uma Berardius. Mas um exame mais detalhado mostrou que a carne era muito escura e a nadadeira dorsal muito grande e flexível. O animal era muito pequeno para ser um adulto Berardius, mas seus dentes estavam gastos e amarelados com a ação do tempo”.
Apesar de parecida com a Berardius, essa nova espécie tem dois terços do tamanho da primeira, e tem o formato da cabeça diferente e um bico mais curto. A localização de sua nadadeira dorsal é levemente diferente.
Essa nova espécie não havia sido identificada até agora porque os poucos exemplares encontrados foram confundidos com a Berardius e porque esse animal passa muito tempo em águas profundas, fora de contato com seres humanos.
Moris diz que é incrível descobrir em 2016 um novo mamífero de 7 metros, mas que esse caso é um exemplo de como ainda não conhecemos o mar profundo. “Há um grande espaço para investigar. Provavelmente não vamos encontrar muitas baleias grandes, mas quem sabe? Eu não ficaria surpreso se houvesse mais baleias que nunca foram registradas antes”, afirma ele. 
Um fato curioso sobre a descoberta da nova espécie é que havia um esqueleto da “baleia corvo” bem debaixo do nariz dos pesquisadores desde 2004. Esse indivíduo foi encontrado morto naquele ano e seu esqueleto foi colocado em exposição em uma escola de ensino médio do Alaska desde então. Na época, ele foi incorretamente identificado como uma Berardius.
Os pesquisadores conseguiram confirmar que se trata da nova espécie através da análise genética de amostras tecidos que foram mantidos desde 2004


Fonte: http://news.nationalgeographic.com/

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Esquimós estão assustados com misterioso ruído que vem do mar no ártico

O fundo do mar não anda fácil. Primeiro foi a "jacuzzi do desespero", espécie de lago de água, sal e metano no fundo do Golfo de México que mata qualquer criatura que arriscar um mergulho. Agora, o mistério tropical foi trocado por um ruído gelado. As forças armadas do Canadá estão de olho (ou será de ouvido?) em uma espécie de zumbidoque vem do fundo do oceano. Uma população esquimó local já afirma que mamíferos locais, assustados, estão se afastando da região, o que afeta a caça e a alimentação. As notícias vêm da rede canadense CBC.Ao que tudo indica, o som vem do fundo de um canal que tem entre 2 km e 20 km de largura chamado Estreito de Fury e Hecla, localizado no território de Nunavut, no extremo norte do país. Moradores de Igloolik, uma comunidade isolada de esquimós inuítes que depende da caça de animais na região, levaram suas preocupações à assembléia legislativa local.
"Essa é um local importante para a caça no verão e no inverno porque é uma polynya, uma área de água cercada por gelo em que mamíferos marinhos são abundantes", explicou Paul Quassa, político local, à CBC. "No último verão não havia nenhum. Isso é muito suspeito."  O epicentro do som misterioso está a 120 km do vilarejo. Passageiros de um iate sem associação com a comunidade também ouviram o ruído relataram a experiência em uma rádio comunitária local. O situação é o adubo perfeito para incontáveis teorias da conspiração. Uma acusava a empresa de mineração Baffinland Iron Mines Corporation de fazer sondagens na região. A CBC entrou em contato com a empresa, que negou qualquer trabalho em andamento no local. As autoridades também não receberam nenhum pedido de autorização.  Alguns esquimós temiam que o Greenpeace estivesse usando sons agudos para afastar os animais, protegendo-os dos caçadores. A instituição nega, e afirma que não é contrária à caça de subsistência de comunidades tradicionais. As forças armadas já excluíram a possibilidade de um submarino, e abriram investigações. O local fica próximo de uma base estratégica, localizada em Hall Beach, 70 km ao sul de Igloolik.


Fonte: http://www.cbc.ca/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...