domingo, 30 de outubro de 2011

Incrível vídeo de como nasceu a lua

Provavelmente, a Lua nasceu de uma pancada que a Terra levou. Há mais de 4 bilhões de anos, nosso planeta teria sofrido o maior impacto de sua existência: bateu de frente com outro planeta chamadoThea, um colosso do tamanho de Marte que atravessou a sua órbita. Como o astro desavisado era menor, ele acabou em estilhaços. A Terra, claro, também não escapou ilesa: boa parte da sua superfície foi literalmente para o espaço. Depois de alguns anos, os restos da explosão se juntaram para compor a Lua.
Esse fenômeno assustador só aconteceu porque o sistema solar estava em formação naquela época. Poucos milhões de anos antes da grande trombada, só havia poeira microscópica em volta do Sol. Os grãos, com o tempo, foram se juntando para formar rochas mais volumosas, que se chocavam umas com as outras, criando corpos ainda maiores. As rochas que se tornaram grandes e fortes sobreviveram como planetas - entre elas, a que chamamos hoje de Terra. Embora ainda não existam provas definitivas de que a colisão espacial tenha realmente acontecido, essa é, de longe, a teoria mais aceita sobre o surgimento da Lua.
Um fortíssimo argumento a seu favor é o fato de a concentração de 2% de ferro do centro do satélite ser praticamente igual à encontrada nas camadas mais superficiais da Terra - justamente as que teriam sido atingidas pela pancada. "Além disso, a composição das pedras lunares é bastante parecida com a das rochas do manto terrestre, a camada que fica logo abaixo da superfície do planeta. É mais um ponto em comum entre os dois astros", diz o geofísico Lon Hood, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.Veja o video:


Fonte:http://mundoestranho.abril.com.br

sábado, 29 de outubro de 2011

As incríveis e estranhas plantas que comem animais

São consideradas plantas carnívoras, qualquer tipo de planta que “come carne” através de adaptações em sua estrutura. As Asclepiadaceae , Sarraceniaceae, ou do gênero Sarracenia encontradas na parte oriental da América do Norte e as Nepenthaceae são alguns dos seus exemplos.
Elas vivem principalmente em prados molhados ou em locais arenosos, savanas, pântanos, turfeiras, brejos ou qualquer lugar onde o solo é ácido, saturado de água, com pouca luz do sol e ausência de nitratos e fosfatos.
São conhecidas mais de 660 espécies e 9 famílias de plantas carnívoras com a Dionéia sendo a mais famosa e uma das espécies mais abundantes entre elas. Enquanto isso, o gênero Utricularia é identificado como tendo o maior número de espécies na terra.As plantas carnívoras sobrevivem em alguns lugares saturados de água que são mais propensos à falta de nitrogênio.
Para manter a sobrevivência tiverem que se submeter a determinados processos de evolução em ambientes com baixo teor de nutrientes. Isso significa que elas tiveram que absorver os insetos para obter seu conteúdo (insetos contêm cerca de 10,5% de nitrogênio), e, portanto, eles são denominados como plantas que comem carne.
O teor de azoto nos tecidos obtidos de suas presas varia entre 20 e 75%, dependendo de sua espécie (tais como Cephalotaceae, Drosera, Nepenthes, Pinguicula, Sarracenia, Utricularia e etc.). Além de azoto,a Utricularia e Triphyophyllum também são conhecidas por absorver magnésio e potássio, enquanto a Sarracenia absorve fósforo de suas presa.
As adaptações de suas folhas especialmente modificadas como armadilhas fizeram com que elas pudessem obter alguns nutrientes prendendo e digerindo várias invertebrados, e ocasionalmente até mesmo digerindo animais maiores como anfíbios e mamíferos.


Fonte: http://scienceray.com

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Calyptra thalictri,a mariposa vampiro


Os cientistas descobriram que uma espécie de mariposa russa Calyptra thalictri, não se alimenta só de frutas, como eles pensavam, quando foi oferecido o dedo humano o macho da mariposa inseriu sua língua na forma de gancho e começou a sugar o sangue. Parece que, quando as mariposas machos da espécie têm a chance de se alimentar de sangue , inserem suas mandíbulas na vítima e começam a suga-la .
Quando os machos se alimentam de sangue, eles podem passar o teor de sal obtido a partir do líquido para as fêmeas durante o acasalamento, dando a suas larvas uma melhor nutrição.Essa descoberta é um passo importante na história evolutiva e de adaptações dessas criaturas. Morcegos vampiros, que também se alimentam de sangue, contêm compostos de afinamento do sangue em sua saliva que têm potenciais aplicações no tratamento de derrame. Mariposas vampiros poderiam ser úteis em outras aplicações científicas.


Fonte: http://www.lifeslittlemysteries.com

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Megalopyge crispata, a lagarta que parece uma bola de algodão

Embora pareça inofensiva, a lagarta flanela plissada branca (Megalopyge crispata),possui veneno suficiente para causar problemas para quem a tocar. Elas têm espinhos venenosos que podem causar uma picada dolorosa e inflamação que pode durar por vários dias. Em alguns casos, a picada pode causar dor de cabeça, náuseas e sintomas de choque.
Esta traça e suas lagartas são encontradas em toda a América do Norte Oriental em florestas deciduais. Todas as lagartas deste gênero (Megalopyge) não devem ser tocadas porque elas podem causar irritação da pele. Com seus pelos longos, assemelham-se a bolas de algodão.
Em comparação com a fêmea, o macho na fase de mariposa é mais escuro, com uma coloração mais amarelada com ondas escuras em suas asas que dão a esta espécie seu nome comum. Tal como acontece com muitas espécies de mariposa, o macho também tem antenas maiores e mais completas do que a fêmea. O macho usa suas antenas para localizar uma fêmea e para "cheirar" os feromônios que ela libera.


Fonte: http://www.arkinspace.com

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Super amebas encontradas a 10 mil metros de profundidade

video

Em Julho passado, durante uma expedição organizada pelo Instituto de Oceanografia Scripps e a National Geographic à Fossa das Marianas, o local mais profundo dos oceanos, foi encontrado pela primeira vez a dez mil metros de profundidade Xenophyophoreas, animais unicelulares parecidos com amebas, mas que medem mais de 10 centímetros de diâmetro. À volta destas que são as maiores criaturas unicelulares que existem, existia uma série de outras formas de vida que, em grande parte depende delas. Para levar o cabo esta missão, os engenheiros da National Geographic desenvolveram câmara robotizadas capazes de subir, descer e percorrer livremente a região submarina mais inexplorada do planeta.
Sabe-se que as Xenophyophoreas são abundantes no fundo do mar, havendo mesmo sítios que estão literalmente forrados com elas. No entanto, não se tinham encontrado até agora a mais de sete mil metros de profundidade. A National Geographic filmou-as a 10 641 metros.Apesar da sua abundância pouco se sabe sobre elas, pois não é possível traze-las à superfície sem as danificar gravemente, ficando assim impossibilitado o seu estudo em laboratório .Apesar das dificuldades, investigações recentes demonstraram que estes seres vivos podem concentrar no seu organismo altos níveis de chumbo, urânio, mercúrio e suportam também uma quantidade muito elevada de metais pesados.
Estão perfeitamente adaptados a viver na escuridão, a baixíssimas temperaturas e debaixo de uma pressão que poucos seres vivos podem suportar.O biólogo que organizou a expedição, Doug Bartlett, considera que a investigação mostra que estes organismos podem dar abrigo a um grande número de seres multicelulares. A identificação destas células gigantes nos ambientes marinhos mais profundos da Terra abre novas vias para o estudo da biodiversidade, do potencial biotecnológico e da adaptação a ambientes extremos.



Fonte: http://www.cienciahoje.pt

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Beija-flor abelha, a menor ave do mundo

O beija-flor abelha ou Zunzuncito (Mellisuga helenae) é uma espécie de ave endêmica de Cuba e Isla de la Juventud. Com uma massa de aproximadamente 1,8 gramas e um comprimento de 5 centímetros, é a menor ave do mundo.O macho é menor do que a fêmea. O macho é verde na parte superior do corpo e esbranquiçada na parte inferior com as penas da cauda da cor branca. Em comparação com os outros beija-flores pequenos, que muitas vezes têm uma aparência delgada, o beija-flor abelha possui uma forma mais arredondada e robusta.
A fêmea do beija-flor abelha é verde azulado com um ventre cinza pálido. A fêmea põe apenas dois ovos por vez. Ele não é maior que um grande inseto e, como seu nome sugere, é pouco maior que uma abelha. Como todos os beija-flores, ele é rápido e forte. Ele também pode passar de um local para outro como um helicóptero. O beija-flor abelha bate suas asas cerca de 80 vezes por segundo — tão rápido que as asas parecem como um borrão para olhos humanos.
As cores brilhantes, iridescentes das penas do beija-flor abelha fazem o pássaro parecer uma pequena jóia. A iridescência nem sempre é perceptível, depende do ângulo em que uma pessoa olha para a ave. O beija-flor abelha alimenta-se principalmente de néctar e ocasionalmente um inseto ou Aranha, movendo sua língua rapidamente dentro e fora de sua boca. Quando voa de flor em flor, ele transfere o pólen. Dessa forma, ele desempenha um papel importante na reprodução vegetal. No espaço de um dia o beija-flor abelha pode visitar 1.500 flores.



Fonte: http://www.arkive.org

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Helodermatidae horridum,o venenoso lagarto cravejado

O lagarto cravejado mexicano é um dos dois únicos lagartos venenosos do mundo, o outro é o monstro de Gila (Helodermatidae suspectum). Seu nome científico é Helodermatidae horridum. Helodermatidae, que significa pele superior cravejada e horridum, que significa horrível (lagarto cravejado horrível). Isto parece um nome apropriado para este animal. A pele do lagarto consiste em várias esferas minúsculas chamadas ostioderms. Cada grânulo contém um minúsculo pedaço de osso que torna a sua pele quase como uma armadura.
A expectativa de vida destes lagartos é de cerca de trinta anos, embora se acredite que ele possa chegar até cinqüenta anos. Para as fêmeas, o peso médio do adulto é de três até cinco quilos. Para os machos, o tamanho médio do adulto é de 90cm e cinco a seis quilos. Excepcionalmente grandes machos podem chegar perto de dez quilos. A maioria dos lagartos frisados atinge a maturidade sexual aos três anos de idade. Depois que o oviposição ocorre, o período de incubação é de cerca de 165 a 215 dias. O macho tem geralmente cabeça mais ampla e um longo pescoço, as fêmeas possuem cabeça mais estreita e pescoço mais curto, embora sempre haja exceções para cada regra.


Fonte: http://www.helodermahorridum.com

sábado, 22 de outubro de 2011

Greta oto, a incrível borboleta transparente

Por incrível que pareça, essas fotos não são um truque de Photoshop, são imagens reais, assim como as borboletas. A “Greta oto”, mais conhecida como a “borboleta transparente”, é um membro da subfamília Danainae.A Greta oto adulta apresenta uma série de comportamentos interessantes, tais como as migrações de longas distâncias e competições para reprodução entre os machos.
As asas são translúcidas, com uma envergadura de 5,6 a 6.1 cm .Seu nome em inglês mais comum é glasswinged butterfly, e seu nome espanhol é "espejitos", que significa "Espelhinhos". Na verdade, o tecido entre as veias de suas asas se parece com vidro, porque ele não possui as escamas coloridas encontradas em outras borboletas. As fronteiras opacas de suas asas são marrom escuro, às vezes tingido com vermelho ou laranja, e seu corpo é da cor escura.Os adultos são encontrados do México ao Panamá. A Greta oto também pode ser encontrada na Venezuela.
Elas fazem visitas comumente nas flores como a lantana, mas preferem colocar seus ovos em plantas tropicais Solanaceaes do gênero Cestrum. As lagartas se alimentam dessas plantas tóxicas e talvez por isso sejam tóxicas para predadores através de substâncias químicas secundárias armazenadas nos seus tecidos.
Os Adultos também são considerados tóxicos, mas sua toxicidade decorre principalmente nos machos, que se alimentam de flores (por ex.,as Asteraceae) cujo néctar contém alcalóides de Pirrolizidina. Esses mesmos alcalóides também são convertidos em feromônios por machos e usados para atrair as fêmeas.


Fonte: http://eol.org

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Helodermatidae suspectum,o venenoso Monstro de Gila

O Helodermatidae suspectum,mais conhecido como “Monstro de Gila” é uma espécie de lagarto venenoso nativo dos Estados Unidos e do estado mexicano de Sonora. Um lagarto pesado, lento, com até 60 cm de comprimento, o Monstro de Gila é um dos poucos lagartos venenosos nativo dos Estados Unidos e uma das duas únicas espécies conhecidas de lagartos venenosos na América do Norte. Embora o Monstro de Gila seja venenoso, sua natureza lenta significa que ele representa pouca ameaça aos seres humanos. No entanto, ele ganhou uma reputação temível e é morto por isso, por vezes, apesar de ser protegida pela lei estadual nos estados do Arizona e Nevada.
O veneno deste lagarto é produzido pelas glândulas salivares no maxilar inferior, ao contrário das cobras, cujo veneno é produzido na mandíbula superior. O Monstro de Gila não possui a musculatura para injetar veneno, em vez disso, o veneno é propulsionado da glândula aos dentes por mastigação. A capilaridade leva o veneno dos dentes para a vítima. Observou-se que o Monstro de Gila se vira enquanto está mordendo a vítima, presumivelmente para auxiliar o fluxo de veneno na ferida. Como as suas presas consistem principalmente de ovos, pequenos animais, e presas "impotentes", acredita-se que o seu veneno evoluiu para sua defesa e não para caça. Um uso defensivo explicaria a sua coloração brilhante de aviso.
Embora o veneno seja uma neurotoxina tão tóxica como a de uma cobra Coral, ele produz apenas pequenas quantidades. A Mordida de um Monstro de Gila normalmente não é fatal para o ser humano adulto. Não há nenhum relato que confirme mortes após 1939, e aquelas mortes antes desta datas atribuídas a eles são devido a primitivos e perigosos "tratamentos." O Monstro de Gila pode morder rapidamente (especialmente balançando a cabeça para os lados) e aferrar-se tenaz e dolorosamente.Se mordida, a vítima talvez precise submergir totalmente o lagarto atacante na água para se libertar de sua mordida. Os sintomas de mordida incluem dor excruciante, edema e fraqueza associado com uma rápida queda na pressão arterial.


Fonte: http://www.aquaticcommunity.com

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Vampyrum spectrum,o morcego fantasma

O Vampyrum spectrum, também conhecido por morcego-espectral,carcará-da-amazônia,e entre os nativos por andirá-guaçu, é uma espécie de morcego carnívoro.O animal tem também aparecido na imprensa brasileira com o nome de morcego-fantasma-grande.
É a maior espécie de morcego das américas e também é o maior a alimentar-se de pequenos vertebrados, pondendo pesar até 230 g e ter até 1 metro de envergadura. Representante dos Microchiroptera, no Brasil, sua ocorrência foi registrada na região amazônica e Pantanal, apesar do nome, este morcego é carnívoro, e não hematófago, e portanto sem relação ao vampiro tradicional.
Os animais dessa espécie são monogâmicos e, ao contrário da espécie proximamente relacionada Chrotopterus auritus , não ingere materia vegetal, sendo estritamente carnívoro. Recentemente, a espécie avistada no estado do Mato Grosso do Sul, sendo este o registro mais ao sul desse morcego.


Fonte: http://animais.culturamix.com

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Etmopterus splendidus, o tubarão que pode se tornar invisível.

O primeiro estudo detalhado do raro tubarão lanterna esplêndido (splendid lantern shark, Etmopterus splendidus) revela que ele não só brilha no escuro, mas seus efeitos de luz criam um “manto da invisibilidade” que o protege de predadores. A pesquisa é também a primeira a documentar a presença do tubarão de forma cilíndrica em águas ao redor das ilhas Okinawa, no Japão. Anteriormente, foi confirmado que o tubarão existia apenas no Mar da China Oriental, ao largo de Taiwan, e nas águas ao sul do Japão.Seu espetáculo de luz natural, produzido por órgãos emissores de luz chamados fotóforos, serve para várias funções.
A capa da invisibilidade talvez seja a mais benéfica dessas funções, pois ajuda a proteger o tubarão pequeno. “Os fotóforos substituem a luz do sol, que é absorvida pelo corpo do tubarão”, explica a cientista Julien Claes. “A silhueta do tubarão, portanto, desaparece quando vista de baixo”. A pesquisadora e seus colegas coletaram e mantiveram três exemplares do tubarão lanterna em cativeiro.As análises revelaram que cada um tinha nove zonas luminosas distintas. Algumas dessas zonas, como uma na barriga, contribuíam para o efeito “manto da invisibilidade”.
Outras, ainda mais brilhantes, estavam presentes nos órgãos sexuais, nos flancos, na cauda e nas nadadeiras peitorais do tubarão. Os pesquisadores suspeitam que essas zonas são provavelmente usadas durante adestramento e comunicação sexual. “Os tubarões usam fertilização interna, por isso a presença de fotóforos nos órgãos sexuais pode facilitar o acasalamento”, disse Claes. “Além disso, também pode ser um caminho para os tubarões sinalizarem que estão prontos para acasalar, ou que são candidatos melhores para a reprodução”.
Os cientistas acreditam que principalmente os nervos e hormônios controlam a luz, com pigmentos também se movendo em células como parte do processo. Essa luminescência provavelmente evoluiu quando os tubarões lanterna colonizaram o fundo do mar durante o fim do Cretáceo, 65 a 75 milhões de anos atrás. O tubarão lanterna esplêndido, hoje, vive de 200 a 1.000 metros abaixo da superfície, áreas com níveis de luz extremamente baixos. Anteriormente, a mesma equipe estudou outro membro desta família de tubarões, o lixinha da fundura (velvet belly lantern shark, Etmopterus spinax). Tanto este como o tubarão lanterna esplêndido têm zonas luminosas e outras características semelhantes. É, portanto, provável que sua capacidade de brilhar evoluiu muito antes do seu clado (grupo de organismos originados de um único ancestral comum) dividir, pelo menos 31,55 milhões de anos atrás. É até possível que muitos outros animais marinhos pré-históricos pudessem brilhar no escuro. “Infelizmente, o fenômeno da bioluminescência nos tecidos moles não deixa, ou deixa muito poucas, pistas fósseis”, disse Claes. “Por isso, é muito difícil estabelecer se animais pré-históricos eram luminosos, mas é provavelmente o caso, pelo menos no fundo do mar”.Pelo menos 33 espécies existem nesta família de tubarão, entretanto, ainda há muito a ser descoberto sobre esses moradores das profundezas do oceano.


Fonte: hypescience

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Você sabe qual foi o maior inseto voador que já viveu na Terra?

O Meganeura monyi era uma espécie de inseto pré-histórico que viveu no período Carbonífero (cerca de 300 milhões de anos atrás), assemelhava-se com as atuais libélulas. Com uma envergadura de mais de 75 cm (2,5 pés) de largura, foi o maior inseto voador que já viveu na Terra. (Meganeuropsis permiana, do período Permiano é outro candidato). Era um predador que, possivelmente, se alimentava de outros insetos e até mesmo pequenos anfíbios e répteis.
Os fósseis de M. monyi foram descobertos nas minas de Carvão Stephanian Commentry na França em 1880. Em 1885, o paleontólogo francês Charles Brongniart descreveu e nomeou o fóssil. Outro exemplar fóssil foi encontrado em multa Bolsover, Derbyshire, em 1979. O holótipo está alojado no Muséum National d'Histoire Naturelle, Paris.M. americana foi descoberto em Oklahoma, em 1940, e é representado pela maior asa de inseto completo já encontrado, que é conservado no Museu de História Natural de Harvard.
A controvérsia tem prevalecido sobre a forma como insetos do período Carbonífero foram capazes de crescer tanto. A forma como o oxigênio é difundido pelo corpo dos insetos, através do seu sistema de respiração traqueal, coloca um limite superior no tamanho do corpo, que os insetos pré-históricos parecem ter ultrapassado - e muito. Foi originalmente proposto que o Meganeura só foi capaz de voar porque o clima naquela época continha mais oxigênio do que os 20% atuais, e a atmosfera mais densa. Esta teoria foi inicialmente indeferida por cientistas, mas tem encontrado aprovação mais recentemente, através de um estudo mais aprofundado sobre a relação entre o gigantismo e a disponibilidade de oxigênio. Se essa teoria está correta, estes insetos gigantes teriam sidos perigosamente suscetíveis à queda dos níveis de oxigênio e certamente poderiam não sobreviver no nosso ambiente moderno.


Fonte: http://www.dinosaurjungle.com

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Anablepidae, o incrível peixe de quatro olhos

O Anablepidae é conhecido como o peixe de quatro olhos, que nada ao longo da superfície com os olhos aparecendo tanto dentro como fora da água. Uma nova pesquisa desvendou como esse peixe enxerga os dois ambientes distintos ao mesmo tempo.As descobertas ajudaram a explicar como os sistemas visuais dos animais, incluindo os humanos, evoluem em resposta a ambientes de luzes diferentes. No caso do Anablepidae, o que parecem quatro olhos são, na verdade, dois olhos grandes. O nome de “quatro olhos” deriva do fato deles ficarem divididos na superfície da água, metade acima e metade dentro dela.
O estudo que analisou os olhos do peixe se concentrou nas proteínas sensíveis à luz chamadas opsinas – os pigmentos visuais. Cada uma delas é mais sensível a um determinado comprimento de onda de luz. Seres humanos, por exemplo, tem opsinas sensíveis à luz azul, verde e vermelha. As opsinas absorvem a luz em comprimentos de onda ligeiramente diferentes, permitindo-nos ver essas três cores e as demais.Os cientistas descobriram que a parte superior dos olhos do Anablepidae – que fica fora da água – possui opsinas sensíveis ao verde. Já a metade inferior é sensível ao amarelo. Todo o olho tem genes sensíveis ao ultravioleta, violeta e à luz azul. O peixe de quatro olhos teria diferentes tipos de opsina para funcionar a partir do tipo de luz disponível em cada ambiente.
A água em que ele vive é normalmente barrenta (florestas de mangues no norte da América do Sul) e nesse ambiente a luz amarela é a melhor transmitida. Esse sistema visual único permite que o peixe evite um fenômeno problemático chamado de “Janela de Snell”, que acontece quando você está submerso na água e olha para fora da superfície. Devido à refração da luz na superfície da água, o campo de visão é limitada em cerca de 96 graus. Depois desse ângulo não é possível ver mais nada além da superfície. Para compensar o problema, algumas espécies marinhas calculam a refração para encontrar a verdadeira posição de alguns objetos que encontram. Mas os “quatro olhos” conseguem ver com um ângulo mais amplo.
Entretanto, esse sistema de visão tem um preço. Como se pode imaginar, não é difícil para os predadores localizarem os peixes de olhos esbugalhados ao longo da superfície. Mas o peixe de quatro olhos está sempre à espreita, com grandes áreas de seu cérebro dedicadas à visão.Ao que parece, os olhos do peixe exótico evoluíram para conviver com as duas diferentes tarefas visuais. Mas ele não é o único. Vários outros peixes, anfíbios, aves e certos primatas – incluindo os humanos – possuem o que é conhecido como variabilidade intraretinal. Isso significa que variações na sensibilidade espectral existem em toda a retina, que é um delicado revestimento de membrana sensível à luz, dentro do globo ocular.


Fonte: [MSN] / hypescience

domingo, 16 de outubro de 2011

Aranha comendo sapo

Realmente os aracnídeos não têm piedade de suas presas e para se ter uma ideia a seguir vamos ver uma aranha atacando um sapo. A aranha ataca certeiramente o sapo e injeta seu veneno nele até que ele fique completamente imobilizado. Confira o vídeo a seguir com o ataque da aranha:

video

Fonte:National Geographic

sábado, 15 de outubro de 2011

Cientistas afirmam que piranhas 'latem' para intimidar rivais

Num artigo publicado na revista científica Journal of Experimental Biology, uma equipe de cientista afirma ter identificado três tipos de sons emitidos pelas piranhas, cada um associado a uma mensagem específica. Eric Parmentier, líder da pesquisa, estudou os sons e métodos de comunicação usados por diversas espécies de peixes e acredita que este tipo de conhecimento pode melhorar o convívio do Homem com a vida marinha.
Segundo estes especialistas muitas espécies utilizam sons para atrair um parceiro. Neste caso, o som torna-se um bom indicador da reprodução do peixe. Parmentier já sabia que as piranhas emitem sons, mas, queria saber o que significavam. A equipa colocou um microfone subaquático dentro de um tanque com piranhas e filmou as interações entre os peixes. Foram gravados três tipos de sons.
Um som semelhante a um latido era usado quando os peixes se confrontavam sem agressões físicas. Quando há perseguições entre os peixes o som é semelhante a uma batida percussiva e foi detectado um terceiro som semelhante a um coaxar suave quando as piranhas se mordiam umas às outras. Normalmente as agressões físicas ocorrem quando as piranhas lutam pela comida. Contudo, durante a maior parte do tempo os peixes nadam sem que ocorram disputas. “Para os animais é menos dispendioso fazer barulho para impressionar os outros do que lutar”, explica Parmentier.
As piranhas, tal como outros peixes ruidosos, produzem sons através da vibração das suas bexigas natatórias. Foram estudados os músculos que ao se moverem à alta velocidade produzem as vibrações. “O músculo contrai e relaxa 150 vezes por segundo para vibrar a bexiga natatória", disse Parmentier.A equipe espera agora poder estudar as piranhas no seu habitat natural, no Amazonas, para aprender mais sobre estes comportamentos.


Fonte: http://www.bbc.co.uk

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Nove mistérios surpreendentes sobre a água para serem analisados

A água é ao mesmo tempo extremamente familiar, pois compõem cerca de dois terços de nossos próprios corpos e cobre três quartos do planeta, mas extremamente misteriosa. Muitas das suas propriedades são surpreendentes e escapam da compreensão científica.Confira:

1 – Corrida para o fundo:
Uma pessoa com o mínimo de lógica poderia supor que levaria mais tempo para a água quente mergulhar para baixo da escala de temperatura de 0 graus Celsius e congelar do que a água fria.Estranhamente, nem sempre esse é o caso. Como foi observado pela primeira vez por um aluno da Tanzânia, Erasto Mpemba, em 1963, a água quente realmente congela mais rápido do que a água fria quando os dois corpos de água estão expostos ao mesmo ambiente abaixo de zero. E ninguém sabe por quê. Uma possibilidade é que ocorre um processo de circulação de calor chamado convecção. Em um recipiente de água, a água quente sobe até o topo, empurrando a água mais fria abaixo dela e criando um “topo quente”. Os cientistas especulam que a convecção pode de alguma forma acelerar o processo de resfriamento, permitindo que a água mais quente congele mais rápido do que a água mais fria.

2 – Substância escorregadia:
Um século e meio de investigação científica ainda não conseguiu determinar por que o gelo pode fazer você cair. Os cientistas concordam que uma fina camada de água líquida em cima do gelo sólido é o que o torna escorregadio. Mas não há consenso a respeito do porque o gelo, ao contrário da maioria dos outros sólidos, tem tal camada. Os teóricos têm especulado que pode ser o próprio ato de deslizar ou patinar – fazer contato com o gelo – que derrete a superfície do gelo. Outros pensam que a camada de fluido está lá antes de alguém escorregar ou patinar, e é de alguma forma gerada pelo movimento inerente das moléculas de superfície. Nós sabemos que você está procurando algo ou alguém para culpar quando cai de bunda no gelo, mas, infelizmente, o júri ainda não chegou a uma conclusão.

3 – Bolhinhas:
Na Terra, a água fervente cria milhares de pequenas bolhas de vapor. No espaço, por outro lado, produz apenas uma bolha gigante ondulante. A dinâmica de fluidos é tão complexa que os físicos não sabiam o que aconteceria com água fervente em condições de gravidade zero, até que um experimento foi finalmente realizado a bordo de um ônibus espacial em 1992. Os físicos decidiram que a ebulição mais simples no espaço provavelmente resulta da ausência de convecção e flutuabilidade – dois fenômenos causados pela gravidade. Na Terra, estes efeitos produzem a turbulência que observamos em nossos bules.

4 – Levitando líquido:
Quando uma gota de água cai sobre uma superfície muito mais quente do que seu ponto de ebulição, pode escorregar por toda a superfície por muito mais tempo do que você esperaria. Chamado efeito Leidenfrost, isso ocorre porque quando a camada inferior da gota evapora, as moléculas de água gasosa da camada não têm para onde escapar, assim que sua presença isola o resto da gota e impede que esta toque a superfície quente abaixo. A gota, assim, sobrevive por alguns segundos, sem evaporar.

5 – Membrana:
Às vezes, a água parece desafiar as leis da física, mantendo-se unida apesar das tentativas da gravidade ou mesmo da pressão de objetos pesados. Este é o poder da tensão superficial, uma propriedade que faz com que a camada externa de um corpo de água (e alguns outros líquidos) aja como uma membrana flexível. A tensão superficial surge porque as moléculas de água se vinculam frouxamente umas com as outras. Por causa das ligações fracas entre elas, as moléculas na superfície puxam para dentro as moléculas abaixo delas. A água fica “junto” até que as forças para separá-la ultrapassem a força daquelas ligações fracas, e quebrem a superfície. Na foto acima, por exemplo, um clipe repousa sobre a camada superior de um corpo de água. Embora o metal seja mais denso que a água e, portanto, deveria afundar, a tensão superficial está impedindo que o clipe quebre a superfície da água.

6 – Neve em ebulição:
Quando há um enorme gradiente de temperatura entre a água e o ar exterior – por exemplo, quando uma panela de água fervente de 100 graus Celsius é espirrada em um ar com 34 graus Celsius negativos, um efeito surpreendente ocorre. A água fervente vira instantaneamente neve. A explicação: o ar extremamente frio é muito denso, com suas moléculas espaçadas tão intimamente que não há muito espaço sobrando para o transporte de vapor de água. Água fervente, por outro lado, emite vapor muito facilmente. Quando a água é lançada no ar, ela quebra em gotas, que têm ainda mais área de superfície para o vapor subir. Isso representa um problema. Há mais vapor emitido do que o ar poderia, de modo que o vapor “precipita” por ligação com partículas microscópicas no ar, como sódio ou cálcio, formando cristais. Essa é a formação de flocos de neve.

7 – Espaço vazio:
Embora a forma sólida de quase todas as substâncias seja mais densa do que sua forma líquida, isso não acontece com H2O. Quando a água congela, seu volume aumenta em cerca de 8%. Este é o comportamento estranho que permite que os cubos de gelo,e até mesmo icebergs, flutuem. Quando a água esfria a seu ponto de congelamento, há menos energia fazendo suas moléculas “pularem”, de modo que as moléculas são capazes de formar ligações estáveis de hidrogênio com seus vizinhos e, gradualmente, fixar uma posição, o que é o mesmo processo básico que faz com que todos os líquidos se solidifiquem. E, assim como em outros sólidos, as ligações entre as moléculas no gelo são realmente mais curtas e mais apertadas do que os laços soltos na água líquida, a diferença é que a estrutura hexagonal de cristais de gelo deixa um monte de espaço vazio, o que torna o gelo menos denso que a água em geral. O excedente de volume às vezes pode ser visto na forma de “picos de gelo” em cima de cubos de gelo no freezer. Estes picos são compostos do excesso de água que é espremido para fora de um cubo pelo congelamento (e expansão) do gelo em torno dele. Em um recipiente, a água tende a congelar a partir dos lados e no fundo em direção ao centro e em cima, de modo que o gelo se expande em direção ao centro. Às vezes, um bolsão de água fica preso no meio sem ter para onde correr, e esguicha de um buraco no topo do cubo, congelando na forma de um jato.

8 – Único:
Como diz o ditado, “não há dois flocos de neve iguais”. De fato, em toda a história da neve, cada uma dessas belas estruturas é completamente única. Eis o porquê: um floco de neve começa como um prisma hexagonal simples. À medida que cada floco cai, esbarra em uma gama única de condições, incluindo diferentes temperaturas, umidade e pressão do ar. Isso é o suficiente para nunca se formarem cristais da mesma forma duas vezes.Dito isto, a coisa legal sobre flocos de neve é que seus seis braços crescem em perfeita sincronia, criando simetria hexagonal, porque cada braço experimenta as mesmas condições que todos os outros.

9 – Da onde veio?:
A origem exata da água do nosso planeta, que abrange cerca de 70% da superfície da Terra, ainda é um mistério para os cientistas. Eles suspeitam que a água da superfície do planeta há 4,5 bilhões de anos teria evaporado com o calor intenso do sol jovem. Isso significa que a água que temos agora deve ter chegado aqui mais tarde. Como? Bem, durante um período de cerca de 4 bilhões de anos atrás, chamado de Bombardeio Pesado Tardio, objetos maciços, provavelmente de fora do sistema solar, atingiram a Terra e outros planetas. É possível que esses objetos trouxeram água para a Terra.Cometas, pedaços de gelo e rocha com caudas de gelo que orbitam o sol, são os prováveis culpados pelo líquido que aterrou aqui. Há um problema, porém: medições remotas da água evaporando de vários cometas importantes (Halley, Hyakutake e Hale-Bopp) revelaram que o gelo é feito de um tipo diferente de H20 (contendo um isótopo pesado do hidrogênio) do que encontrado aqui, sugerindo que os cometas podem não ser a fonte de toda a água da Terra.


Fonte: http://www.lifeslittlemysteries.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...